terça-feira, 16 de novembro de 2010

Linchamento Evitado


A GNR da Covilhã interveio ontem em Verdelhos para resgatar três assistentes sociais, uma professora e uma auxiliar que se refugiaram no centro social e na escola, sob ameaças de populares, na sequência da confusão causada por uma mulher que tentou impedir a retirada de duas filhas, de 4 e 7 anos, vítimas de maus tratos.


Por:Isabel Jordão


Segundo fonte policial, os sinos tocaram a rebate e em pouco tempo juntaram-se "50 a 60 pessoas, que, sem saberem o que se passava, lançavam ameaças às mulheres".

Foi necessário criar um cordão de segurança para permitir a saída das técnicas no jipe da GNR, enquanto a professora era resgatada na bagageira de outra viatura.

"Durante mais de uma hora viveu--se uma situação complicada, com os populares a insurgirem-se contra as técnicas e os militares, chegando a atravessar viaturas à frente do jipe da GNR", contou a fonte policial.

As técnicas, da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da Covilhã, preparavam-se para levar as meninas para uma instituição, com a concordância da mãe, que já tinha assinado um documento quando começou a gritar que lhe iam levar as meninas. Continuam na aldeia, mas com "uma família idónea".


Comentário: Eis o resultado de 6 anos de incitamento ao ódio aos professores. Noutros tempos, bastaria a professora aparecer para os ânimos serenarem. Após e anos de socratismo, a professora tem é que sair na bagageira do carro, para não a matarem.
Mas isto é diário. O menino chama, por exemplo, "puta" à professora. Tem falta disciplinar. Liga à família e passado meia hora já lá estão os chungas todos de navalhas em punho. IMPUNES.

Sem comentários:

Enviar um comentário