sexta-feira, 2 de julho de 2010

Villaverde Cabral Dixit

Mas os críticos da ministra estão longe de estar apenas nas fileiras da oposição ou dos sindicatos. “Tenho uma longa relação de amizade e colaboração com a Maria de Lurdes Rodrigues e não queria estragar essa relação mais do que provavelmente já está”, começa Manuel Villaverde Cabral, 68 anos, investigador, presidente do conselho directivo do Instituto de Ciências Sociais.

“Vai arrastar Sócrates ”

Apesar das reservas, continua. “Não se pode ser ‘autoritário’ com os professores”, fazer deles “o bode expiatório do insucesso escolar”, ser “‘liberal’ com os alunos e completamente ‘populista’ com as chamadas famílias – que, de forma geral, não são capazes nem fazem qualquer esforço para apoiar os filhos no processo de aprendizagem -, quando toda a gente sabe que, em qualquer sociedade, os alunos só têm êxito quando os pais entram com a sua quota-parte de esforço!”

O sociólogo acha que o raciocínio político de Lurdes Rodrigues foi este: “O sistema educativo não funciona; a culpa é dos professores; o castigo será a avaliação!” Resultado: “A carreira dela como ministra não tem salvação. E, como o primeiro-ministro não pode demiti-la, sob pena de perder a face, é ela quem vai arrastar o engenheiro Sócrates para o ‘inferno’.” Villaverde Cabral, que falou ao P2 dois dias antes de o Governo anunciar que iria rever aspectos da avaliação do desempenho docente, faz questão de sublinhar que esta é a sua apreciação de “analista político”.

Sem comentários:

Enviar um comentário