segunda-feira, 23 de março de 2009

Emídio Rangel e o "Velho Pedro Nunes"



- Ahhh... estes professores são uns baldas... No meu tempo, no velho "Pedro Nunes", aquilo é que era disciplina, aquilo é que era aprender...

Não é que o Sr. Emídio Rangel me mereça uma especial consideração. O que eu o considero é um arrivista e um caceteiro, na profissão e na vida em geral.

Essa tirada do grande educador da classe otária ficou-me atravessada, contudo, por ilustrar o que pensa um tipo que até é jornalista - apesar de fraquinho. Se assim pensa este tipo, como pensará um que não é jornalista nem nada, e que se calhar nem andou no "velho Pedro Nunes"?...

Emídio Rangel, mais os amigos importantões que andaram nesse Liceu e que ele gosta de salientar (dos pobrezinhos esquece-se sempre) viveram uma realidade diferente. Nessa altura continuava a estudar quem queria e quem podia. Agora o ensino é obrigatório, e vai toda a gente para o Liceu, porque:

a) acabaram as escolas técnicas.

b) se forem antes trabalhar, a Protecção de Menores ameaça retirar os filhos aos pais.

c) dá subsídios.

A maioria dos alunos gosta de andar na escola licealizada que temos. Embora preferissem uma escola diferente, com mais escolha, menos carga horária, etc..

Os jovens delinquentes que a Ministra se gaba de ter ido buscar a casa é que dão o cheque-mate no ambiente já de si degradado e na desautorização dos professores.

Hoje um aluno meu chorava convulsivamente. Estava em pânico, porque a mãe acabara de lhe anunciar que um primo de 9 anos, traficante de drogas no Brasil (!!!), vinha morar com eles! E há-de vir para esta escola, e, faça o que fizer, será impossível dar-lhe mais que a punição prevista na Lei: umas férias de 10 dias em casa, de quando em quando.

Não havia disto no velho Pedro Nunes, ó Rangel...

3 comentários:

  1. Do que sei de Rangel, reconheço-lhe um mérito: a TSF. De resto, parece apenas dizer o que lhe vem à cabeça, sem informação, nem filtro. Do Governo, elogia as medidas que dizem respeito aos outros, por exemplo aos professores, sem entender o que se passa, e critica aquilo que lhe diz respeito como jornalista ou ligado a um interesse. só está bem aquilo que afecta os outros. No caso, até afecta bastante o país.

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo inteiramente. Acrescento que suspeito que ele não se ensaia para fazer o frete a quem esteja a servir no momento, mas é só uma opinião.

    ResponderEliminar
  3. Não subscreva... essa criatura, que nos costuma confundir com a sua família, fala do que não sabe e mente compulsivamente. Muito modesto em termos intelectuais, apenas encontra nos cidadãos mais embrutecidos ouvido para as suas palavras torpes e cuspidas de uma forma despudorada, mentirosa e ignorante.
    tivesse ele aprendido alguma coisa de útil no velho Pedro Nunes e teria hoje o respeito, que lá devia ter aprendido se fosse um aluno normal, que é devido aos professores. Não aprendeu. Nem isso, nem nada.
    Eu dei aulas no velho Pedro Nunes e sei bem do que falo, o respeito pelos professores era muito importante, pelo que só uma criatura infra-medíocre lá pode ter andado sem o aprender.
    Se conhece esse fala barato, peça-lhe para não falar mais da escola, que infelizmente nada pôde fazer com ele.

    ResponderEliminar